Revista de Ciências, Vol. 8, No 2 (2017)

Medicina paliativa e ortotanásia numa paciente em fase terminal de câncer de pâncreas - relato de caso

Suellen Alves Moreira, Luana Matos Santos, Roberta Lara Napoleão, Tiago Campos Ferreira Rocha, Ana Letícia Barbosa, Diogo Pena Moreira, Ronny Francisco de Souza

Resumo


O câncer de pâncreas persiste como um dos mais agressivos tumores malignos do trato digestivo. Trata-se de uma moléstia com alta agressividade, tendo apenas 15% a 20% dos pacientes a possibilidade de resseção cirúrgica e cura ao diagnóstico, principalmente devido à sintomatologia tardia que apresenta. A manifestação clínica costuma ser inespecífica, sendo que na maioria dos casos o paciente se mantém
assintomático até atingir estágios avançados de doença. As principais manifestações observadas são dor no andar superior do abdome que irradia para dorso, perda peso e icterícia obstrutiva. O principal exame de imagem adjuvante ao diagnóstico é a tomografia computadorizada helicoidal com visualização da lesão e delimitação do avanço da doença.
Devido ao prognóstico ruim em sua fase terminal, é de suma importância o emprego dos cuidados paliativos e uso da ortotanásia para o quadro álgico, visando atenuar o sofrimento do paciente. O presente estudo trata-se de um relato de caso clínico, descritivo de cunho qualitativo, utilizando os registros documentais por meio do prontuário da paciente
diagnosticada com Câncer de Pâncreas em fase terminal, para receber os cuidados paliativos e ortotanásia.

Texto Completo: PDF